sexta-feira, 5 de fevereiro de 2010

Só mais uma coisa

8) Sugeri que, na alegoria platónica, assomam elementos repulsivos (consistentes com a concepção ético-política de Platão da governação e do Estado); Karl Popper, na obra A Sociedade Aberta e os Seus Inimigos, vol. 1 (1945, 1ª ed.) vai mais longe: não só considera que Platão foi um dos fundadores do racismo e do colectivismo racial, como também que o seu programa político é moralmente equivalente ao totalitarismo. No Estado justo platónico, os governantes governam, os trabalhadores trabalham e os escravos servem.

Paulo Lopes

2 comentários:

Júlio disse...

É verdade. No entanto, também não deixa de ser estimulante encontrar em Platão, por exemplo, a denúncia de uma certa ordem política apoiada na corrupção (o que agora faz muita falta...)
Júlio

Phronesis disse...

É verdade, Júlio (digo eu também). Mais por influência socrática (diz Popper).
Apesar do que (de negativo) disse, Platão permanece para mim um filósofo estimulante.

Paulo